Início Destaques GM estoura suposta rinha de pássaros no São José

GM estoura suposta rinha de pássaros no São José

Entre as 6 gaiolas com aves apreendidas havia pelo menos Coleirinho e um Trinca-Ferro, espécie em risco de extinção

A Guarda Municipal de Paulínia estourou ontem, por volta das 12h05, uma suposta rinha de pássaros em uma agropecuária, na avenida Ferrúcio Ferramola, no São José, após populares relatarem maus tratos de animais. Quando chegaram ao local, os GMs encontraram cerca de 6 gaiolas contendo pássaros de várias espécies.

Ao lado da agropecuária, havia cerca de dez homens com pássaros presos em gaiolas pequenas como se fossem maletas, além de uma gaiola com divisória, que seria usada para rinhas. Aos seres surpreendidos pelos guardas municipais, o dono do estabelecimento comercial confessou que comercializava as aves e que a rinha ocorria todos os domingos. Ele foi informado sobre a ilegalidade da ação, então, desacatou os GMs, entrou em seu carro e fugiu.

Os guardas de Paulínia começaram a acompanhar o veículo e contaram com o apoio do GPA (Grupo de Proteção Ambiental) da guarda de Americana. No limite com Americana, na Estrada Ivo Macris, o comerciante parou o carro e conseguiu fugir a pé adentrando numa plantação de cana-de-açúcar.

No veículo, ele deixou duas gaiolas, em que estavam um pássaro Coleirinho e um Trinca-Ferro, conhecido popularmente como Canário Pixarro. “Esses animais silvestres, não podem estar em gaiolas ou serem comercializados, tem uma lei federal que proíbe isso. A rinha também é proibida por lei, são crimes ambientais”, afirmou o guarda.

O caso foi apresentado na Central da Polícia Judiciária de Americana, mas como o local do crime ocorreu em Paulínia, o delegado plantonista decidiu que toda a ocorrência fosse apresentada na cidade de origem. O caso então foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Paulínia.

Serviço: A população pode ajudar a polícia a combater a criminalidade fornecendo informações a respeito de irregularidades por meio do telefone 190, do Disque PM – 0800 0555 190 ou do Disque Denúncia – 181.

Crédito: Polícia Ambiental