sexta-feira, julho 19, 2024
InícioCidadesDelegacia de Polícia de Paulínia teve fiscalização surpresa do Tribunal de Contas

Delegacia de Polícia de Paulínia teve fiscalização surpresa do Tribunal de Contas

Na semana passada, dia 30 de abril, a Delegacia de Polícia de Paulínia recebeu a visita surpresa de agentes do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), que realizaram uma fiscalização ordenada em 275 Delegacias de Polícia da capital, interior e litoral para verificar – em tempo real – as condições de trabalho e o atendimento à população. A ação, com início às 8h, foi feita de forma simultânea em 225 cidades paulistas.

Em Paulínia, o objetivo da fiscalização foi vistoriar as condições de trabalho da delegacia (acessibilidade, instalações, conforto, limpeza, equipamentos); verificar questões funcionais e de pessoal (escalas de trabalho, controle de ponto, e efetivo); checar quesitos de uso, controle de equipamentos (viaturas, equipamentos informática, mobiliário, almoxarifado e materiais de consumo) e outras possíveis ocorrências.

A ação padronizada foi realizada com o apoio de aplicativo online desenvolvido pelo Departamento de Tecnologia da Informação, para uso em tablets e notebooks, no qual apresenta um questionário previamente elaborado, que foi rigorosamente seguido durante a inspeção.

Nível de satisfação dos cidadãos é “bom”

Os fiscais do TCE ainda realizaram uma pesquisa com servidores e a população atendida, de maneira que mantiveram em sigilo a identidade dos entrevistados, para verificar o nível de satisfação com os serviços e a infraestrutura do local. As informações apuradas, bem como fotos do local, estão no relatório preliminar feito pelos agentes que participaram da ação.

Apontamentos

Segundo o conselheiro Sidney Estanislau Beraldo e o chefe Técnico da Fiscalização, Julio César Tranquilim, a Delegacia de Paulínia possui 24 servidores cedidos pela Prefeitura e outros 18 do Estado. Fazem turno de trabalho, porém as escalas não estavam visíveis para conhecimento do público e a unidade policial não adota Registro de Ponto.

AVALIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS: o servidor entrevistado nº 3 atribuiu que as condições fornecidas pelo Estado não propiciam boas condições de trabalho e que as instruções/treinamentos para aprimoramento da atividade policial são ruins ou péssimas. A mesma opinião teve o servidor entrevistado nº 2, que também disse que se sente pouco motivado ou desmotivado para o trabalho. O mesmo disse o servidor entrevistado nº 1.

Vazamentos e falta de manutenção

PRÉDIO: o imóvel que abriga a Delegacia de Paulínia sofre com a falta de manutenção periódica e preventiva. Embora a limpeza do local esteja em ordem, o banheiro feminino está inutilizado e o masculino apresenta mictório interditado e vazamentos na pia. Há infiltrações no teto e paredes de várias salas do prédio. Além disso, não há AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) no prazo de validade e o local apresenta deficiência de segurança na entrada principal (atendimento) e na lateral (funcionários). Nos espaços físicos havia itens aparentes que poderiam comprometer a segurança de servidores e cidadãos. Não há gerador de energia para suprir a Unidade Policial em caso de queda do fornecimento pela concessionária. Ainda, os fiscais apontaram que não há um local adequado para acomodar materiais apreendidos.

Materiais apreendidos sem armazenamento correto

ATENDIMENTO: a média dos cidadãos entrevistados definiriam como “bom” o grau de satisfação no ambiente policial. O tempo de espera para ser atendido tem média de 18 minutos. O mesmo tempo, 18 minutos, é a média de duração do atendimento ao cidadão.

VEÍCULOS: segundo relatório, Paulínia possui sete viaturas (caracterizadas ou não) e todas estão em condições de uso, porém, nenhuma delas possui GPS e não há manutenção mecânica preventiva por falta de recursos. A delegacia seccional realiza somente manutenção corretiva, com troca de óleo e pneus regularmente. Ainda foi apontado que o sistema SISFROTA não estava sendo utilizado adequadamente para registro obrigatório dos dados das viaturas, controles e registros de abastecimento, condições do veículo, despesas com manutenção e talões de trânsito.

Até a finalização desta reportagem, nós não conseguimos contato com o delegado titular de Paulínia para comentar o assunto.