sexta-feira, julho 19, 2024
InícioCidadesKiko Meschiati está preso na cadeia anexa do 2º Distrito Policial de...

Kiko Meschiati está preso na cadeia anexa do 2º Distrito Policial de Campinas

Kiko Meschiatti (PRB) foi condenado por repasse de cédulas de dinheiro falsificadas em 2004 | Crédito: Site Câmara de Paulínia

Kiko se entregou nesta quarta-feira, dia 11, à polícia; vai ficar no regime semiaberto, ou seja, pode trabalhar durante o dia e passa a noite na penitenciária; a cada três dias trabalhados, ganha um na pena

O vereador de Paulínia, Kiko Meschiatti, do PRB, está preso numa cadeia anexa ao 2º Distrito Policial de Campinas. De acordo com a Assessoria de Imprensa da Secretaria de Segurança Pública, o parlamentar e seu primo se entregaram nesta quarta-feira, dia 11, por volta das 16h. Ele e o primo E.M.M., aguardam vaga no sistema prisional. Até então, Kiko era considerado foragido.

O desembargador Nino Toldo, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, expediu no dia 4 de junho um mandado de prisão contra o parlamentar e o primo, condenados pelo Tribunal Regional Federal, o TRF, no ano passado, a quatro anos e oito meses de reclusão, a serem cumpridos em regime semiaberto, por crime contra a fé pública por repasse de cédulas de dinheiro falsificadas no comércio local.

Tentamos contato com representantes do vereador, mas não obtivemos retorno. A Assessoria de Imprensa da Câmara de Paulínia informou que não irá se manifestar, pois ainda não foi notificada.

Regime semiaberto
Segundo o Conselho Nacional de Justiça, o CNJ, não sendo caso de reincidência, o regime semiaberto destina-se para condenações entre quatro e oito anos. Nesse tipo de cumprimento de pena, a pessoa tem o direito de trabalhar e fazer cursos fora da prisão durante o dia, mas deve retornar à unidade penitenciaria à noite.

Além disso, o detento tem o benefício de reduzir o tempo da pena por meio de trabalho: um dia é reduzido a cada três dias de trabalho. A Lei de Execução Penal prevê que o condenado vá para o regime aberto com as mesmas condições: cumprir um sexto da pena e ter bom comportamento.

Vereador mais votado de 2016
Kiko Meschiati, do PRB, foi o vereador mais votado nas eleições de outubro de 2016, com 1.724 votos. Em seu primeiro mandado preside a Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara de Vereadores de Paulínia.

Kiko também preside a Comissão Processante, a CP, instala pela Câmara Municipal, no final de maio, por supostos atos de improbabilidade administrativa do prefeito Dixon Carvalho, do PP, entre eles o descumprimento de lei orçamentária.