sexta-feira, junho 21, 2024
InícioCidadesPaulínia completa hoje 53 anos da posse do primeiro prefeito eleito pelo...

Paulínia completa hoje 53 anos da posse do primeiro prefeito eleito pelo povo

José Lozano Araújo, o Emancipador

Hoje, dia 21 de março, comemora-se 53 anos da posse do primeiro prefeito de Paulínia eleito por voto popular. José Lozano Araújo foi candidato único nas primeiras eleições e comandou a Prefeitura Municipal de 21 de março de 1965 a 21 de março de 1969. Antes, porém, travou outra batalha. Foi o principal mentor da emancipação, graças à vontade férrea de levar avante uma ideia fixa: dar a Paulínia a liberdade de um município livre da sobrecarga de uma Comarca que exauria, em parte, suas bases econômicas.

Foi, naquela primeira campanha, um incompreendido desde o primeiro instante. José Lozano Araújo lutou até mesmo entre diversos grupos de paulinenses contrários à emancipação. Foi rejeitado. Falando lá do alto das escadarias da Igreja São Bento, viu diante de si não uma multidão, como sonhara, talvez, mas apenas dezesseis cidadãos que o rodearam no começo de sua luta.

Crente, no entanto, ali, aos pés daquela primeira capelinha, vislumbrou, por entre as poucas lágrimas que lhes marejavam os olhos, o manto protetor de Nossa Senhora Aparecida. E foi por ela que, rezando, desceu as escadas rústicas, de cimento, pedindo para que fosse ela a intercessora pelo seu ideal, orando quase em silêncio, até chegar à rua do Comércio, para abraçar aqueles que o seguiam.

José Lozano Araújo nasceu em 1898 na cidade paulista de Dourado. Se mudou para Paulínia em 1956, quando ainda era distrito de Campinas. Sua experiência como funcionário aposentado da Assembleia Legislativa de São Paulo o fez ser uma das principais personalidades responsáveis pela emancipação político-administrativa do município.

Podemos dizer que o então cidadão José Lozano Araújo foi um visionário do futuro da então emancipada Paulínia. O que um “forasteiro” do interior paulista, da região de Araraquara, queria por essas bandas? Liberdade, direito de decidir os rumos do povo paulinense.

Não contente, ele lutou e conquistou a vinda da Refinaria de Paulínia (Replan), maior refinaria do sistema Petrobras, responsável por aproximadamente 20% da capacidade de refino de petróleo da Petrobras e atende cerca de 25% do mercado brasileiro de derivados, principalmente o interior paulista e centro-oeste do país. Em 2017, a importância da Replan para o Brasil é refletida em seus números, 25% do diesel e 22% da gasolina produzidos no país saem de Paulínia.

Construiu prédios públicos, abriu e pavimentou ruas, melhorou a distribuição de água encanada, iniciou a construção de 5 quilômetros de rede de esgoto, iluminação pública e domiciliar. Construiu um novo prédio para abrigar os serviços do Paço Municipal, o Palácio 28 de Fevereiro, escolas, parque infantil (creches), centro de nutrição e criou os serviços de merenda. Murou o cemitério, instalou a Delegacia de Polícia, doou o terreno para construção da Matriz Sagrado Coração de Jesus, construiu e asfaltou a rodovia Roberto Moreira, que dá acesso a empresa Rhodia, construiu e asfaltou a rodovia que hoje leva seu nome à Rodovia Anhanguera, instalou o Centro de Saúde. Pioneiro em seu tempo.

Prefeitos em números

Em 53 anos (de 21 de março de 1965 a 21 de março de 2018), Paulínia já teve 15 prefeitos. Alguns foram eleitos pelo voto popular, outros nomeados pelo governo estadual, por ser área de segurança nacional. Vice-prefeito assumindo o cargo de prefeito, presidentes da Câmara no cargo de prefeito. O Município de Paulínia foi emancipado no dia 28 de fevereiro de 1964 e o primeiro mandato de prefeito começou em 21 de março de 1965.